quinta-feira, 9 de junho de 2011

Batidas leves e seguidas no telhado

Fria Quinta-feira
Jacqueline Collodo Gomes

Batidas leves e seguidas no telhado
Gotas de chuva substituem as de orvalho no início da manhã
E fazem frio, fazem senti-lo gerado

Olho um céu encoberto que divide realidades distintas
Que impera sobre realidades distintas com silêncio
Paz e o poder ser simplesmente este céu cinza

As agulhas da poesia se aquecem
Tremem, gemem, querem fazer um bom trabalho
Chamam-me a versos alegres

Já sabem de minhas dores
Mas são tão boas senhoras
Querem me fazer tecer flores

Deixar o que me entristece
De dar as mesmas voltas, dizem-me, “esquece!”
“Dê espaço pra vida substituir o ruim”

E os barulhos do começo do dia se tornam mais evidentes
Do começo do dia de quem? Para o meu, nem quero mesmo suspiros
Só a paz e o silêncio de pôr os pensamentos além

E ser tão simplesmente o que eu escrever para mim.

09/06/11, 08:35

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.