sábado, 1 de outubro de 2011

Noite quente, ar parado...

Mira

Jacqueline Collodo Gomes


(Para meu querido, por quem sempre escrevo, para o qual meus pensamentos em todo momento se declaram)

Tantas coisas paradas num eu qualquer
Tantas coisas pairadas sobre o que há de ser
E sobre elas eu não sei mesmo bem o que dizer

Quero o afago de teus braços
e a luz da tua face, que me conduz
quero perder-me no teu beijo
e encontrar tudo o que lhe faz jus

Você tem o que faz minha noite não ser tão quente assim
Põe a temperatura agradável como a sua presença
É por isso que te pus por meu, em evidência

Você me faz um mundo onde um frescor nos mistifica
e o amor na medida certa nos desvenda
você põe as histórias bonitas à mesa, palpáveis
tira as admiráveis dos contos, das lendas

Por isto que mesmo em face de outra noite assim
quente, ar qualquer que não sabe bem pra onde ir
sei que de um ponto para o qual o céu tem mira
um sorriso brota e segue, feito para mim.

01/10/2011, 22:25.

***
Na onda das reticências:

Comente. Comente. Comente.

Risos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.