quinta-feira, 6 de outubro de 2011

... qualquer coisa, assim...

Imagem, reflexos

Jacqueline Collodo Gomes

Eu não sou qualquer coisa, assim
que não valha a imponência de um edifício

Não levarei este rótulo
pregado em quem o quer pôr

O coração, despido, é sensível
é simples, chora dor
Situação não paga sua identidade

Sou verdade
Sou ponto
Não me dobro a picuinhas

Mais sólido que edificação de pedrarias
Mais preciso que o acudir nas tardes de verão

06/10/2011, 11:55hs.

***
Um bom dia pra você!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.