quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Estas coisas que de repente eu alcanço em mim...

Três considerações para o poema a seguir:

"Ouço um clamor insistente do meu abraço pelo teu"


"Mágicos, mágicos! Não é tão simples resolver os dilemas atuais"


"Meus poemas viajam de mim para portar à você"



Image from: sxc.hu

Espaço-tempo

- Jacqueline Collodo Gomes

Estas coisas que de repente eu alcanço em mim
no passado e no futuro da minha história escrita
fazem desconhecer a admiração dos campos em flor
das árvores pelo caminho frequentemente percorrido...
Fico apenas no silêncio e quietude das noites à dentro.

Na tentativa da usualidade, todos nós
percorremos este esconderijo Universo ocultado
de forma particular, identificação aos sonhadores
que às vezes fazem mesmo desconhecer esta admiração
dos campos em flor e das árvores pelo caminho percorrido

Mas sempre há as frestras em quais nos deparamos
e sabemos que ali estamos, que somos o que elas representam
e nos colocam num lugar que nos pertence
aos poucos aquietando a alma sedenta de encontro
consigo e com sua razão. Mais além...

Do espaço que possa significar para um outro também.

02:59, 15/12/2011.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.