quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Eu me lembro que as pessoas iam ao circo

Image from sxc.hu


Banho de chuva,
 nuvens de algodão...

Jacqueline Collodo Gomes

Eu me lembro quando a hora máxima de dormir eram às 22hs. E que às 23hs já consideravam "madrugada".
Eu me lembro que lanchar a tão somente trinta minutos da meia-noite era um absurdo, uma coisa que não se fazia.
Eu me lembro que as crianças acordavam às sete, oito da manhã, e logo se encontravam para brincar o dia todo.
Eu me lembro das mães chamando a todas elas para o almoço, a rua ficando vazia... Cadê fulano? Almoçando... Agora, só lá pras duas da tarde que vai sair para brincar de novo.
Eu me lembro que era gostoso ir ao parquinho, brincar na gangorra, no gira-gira, balançar tão forte que parecia que se podia alcançar o céu!
Eu me lembro que algodão-doce era um sonho de se ter, era muito raro de se encontrar pelas ruas um vendedor, somente no circo se conseguia encontrá-los, sempre vestidos de personagens engraçados, e então o dia de ir ao circo era muito mais mágico, doce e especial!
Eu me lembro que as pessoas iam ao circo, e não consideravam isso brega.
Eu me lembro que o circo era realmente mágico naquela época!
Eu me lembro de comemorar a chegada de uma Sexta-feira como o salvamento a um ilhado, em desespero. Eu me lembro como era cansativo só pensar em ter de ir à escola na Segunda-feira de novo.
Eu me lembro como assistir o meu desenho preferido na televisão me fazia esquecer de todos os problemas ou coisas assustadoras à minha volta.
Eu me lembro de gostar tanto de desenhos antigos, e pensar que deviam voltar a exibi-los normalmente, acreditando que teriam muito mais audiência do que os novos.
Eu me lembro de gostar de desenhar e de passar horas sem de fato vê-las passar, acompanhada pelos meus desenhos, meus lápis e o ambiente seguro, confortável e colorido que os desenhos construíam ao meu redor.
Eu me lembro como eu me sentia com tudo o que era especial para mim... Minhas caixas onde eu guardava coleções de figurinhas e todo tipo de cacarecos juntados por aí, meus álbuns a completar, e todas as coisinhas que eu mesma inventava e fazia para brincar por não poder comprá-las.
Eu me lembro de todos os sabores desta época que foi-se embora tão rápido, mas que parece poder ser acessada novamente a qualquer momento, como que gaveta à mão. Há dias eles tem perpassado por minha mente, pedindo por serem escritos, para dançarem ao meu redor mais uma vez; música na qual celebram que apesar dos intempéries da vida eu tive momentos bons no começo dos meus anos, momentos estes que fizeram coisas boas por minhas poesias hoje.

12/01/2012. 20:31.

---
Muitos banhos de chuva e nuvens de algodão para sua criança interior! Boa noite!
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.