domingo, 5 de fevereiro de 2012

Vivo num monte cortando os vales

Algumas poesias postadas na Casa da Poesia. Dividindo também com os visitantes do blog.


Image from: sxc.hu


Cortando os vales

- Jacqueline Collodo Gomes

Vivo num monte cortando os vales
e de minha janela posso ver os mares
se encontrando em ondas distintas
causando partilha
construindo ilhas.

E as árvores que adornam o cenário
e emolduram o pacífico quadro
dividem a brisa em pinho e aquário
Nasce sol
Sol se põe...

... e o amado depõe os sentimentos mais íntimos
à casinha de onde ela lhe devolve um olhar intrínseco
do mais puro e verdadeiro amor

Vivo entre as folhas rasteiras
produzidas e cuidadas de forma certeira
pela natureza que sabe bem o fazer e o manter

Vivo entre os traços neutros desta tela
onde o céu arrisca tons mais brandos
para preencher todo o espaço em branco
dando ao instante cores mais belas

Vivo... com flores ao parapeito, na entrada
e nos seus cuidados, à sacada
observamos um novo verso repousando
nas dunas formadas do horizonte longo e plano...

... São vozes poéticas vindas do oceano
dividindo suas composições mais singelas.

05:25, 13/11.

---

Image from: sxc.hu


Poeta de beco


- Jacqueline Collodo Gomes

Poeta de beco
da sombra a luz
uma gaita em melancolia
declama seu blues

Não se importa em ser confundido
com gangster ou popstar
Chapéu e sapato, bico fino
ele só quer dançar, dançar e dançar

Toma ao vento um abraço
ginga em movimento, faz seus passos
inclina o chapéu ao casaco
ele só quer dançar, dançar e dançar

E os holofotes da noite
destacam os traços de sua atuação
hora volta à gaita
fechando o ato, reabrindo a sessão

Poeta de beco
feliz por ser assim
verseja aos muros
e de relance revela-se a mim.

10/11/11, 03:30.

---



Image from: sxc.hu

Tempo


- Jacqueline Collodo Gomes

Em galhos irmãos vivem
preguiça e medo
prostrar e seguir
querer, não querer
tudo e nada sentir...

Não julguem-no, pois
qual seja a versão
isto é ser humano
na mais pura imperfeição

Onde tantos vêem conflitos
e angústias e traumas
eu vejo apenas um corpo contido
de si mesmo amigo,
buscando descansar...

...como que nas lembranças do ventre
colo de mãe, ambiente de paz
quisera pousar tranquilamente
e não ter que se preocupar mais.

07/11/2011, 01:20

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.