sexta-feira, 2 de março de 2012

E vagam os vaga-lumes delimitando planetas...



Image from: sxc.hu


Planeta e Vaga-lume

- Jacqueline Collodo Gomes

Hoje, a água parda
doce e tranquila desta ala
ficou um pouco salgada...

...ao reflexo do rosto
da moça ilustrada,
pequenas ondas às gotas formadas.

E vagam os vaga-lumes
delimitando planetas
traçando poemas...

...fumaça que lançamos
sobre nossos planos e sonhos
desatinos e partículas não digeridas.

São terras paralelamente distantes
que se narram e observam
com olhar altissonante

Não se entendem.
Como podes achar complexa
esta no reflexo, tão honesta

e transparente? Pensas: ela mente.
Mas ela também não o compreende
no reflexo em qual ele se mira.

É assim. Vagam os vaga-lumes
delimitando as estradas
e as pedras às entradas.

Tão simples ao contrário
do que em um é simples
e o outro não...

... mas é um planeta tão bonito
de observar, do outro lado da esfera.
Isso já não justifica o encontro desta era?

21:27, 02/03/2012.

Não tente me entender, coração de orquídea, e nem me decifrar. Esqueça disto. Apenas respeite os meus caminhos. Os caminhos que sigo, paralelamente, aos teus. Apenas, se com isso eu puder contar...

2 comentários:

  1. Muito bom!
    Essa é minha prima!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, rsss. Comenta outros também, rsssssss.

      Excluir

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.