quinta-feira, 31 de maio de 2012

Confraria Metrópole: Está no ar

Confraria Metrópole: Está no ar: Nesta madrugada decidi colocar o projeto pensado em prática. E está no ar este espaço para divulgação da arte, da educação, de atitudes tra...


terça-feira, 29 de maio de 2012

...porque a tristeza existe.

Sad

- Jacqueline Collodo Gomes

Eu sou triste
porque a tristeza existe.
I need another history...

21:47, 28/05/2012.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Cena de Livro

E assim eu fico. À dança das impressões. Envolta do não confessado. 
Mas eu preciso viver!


Image from: sxc.hu


Cena de Livro

- Jacqueline Collodo Gomes

(Para quem não me explica nada...)

O que é que você quer aqui? Por que é que não se senta e me diz?
Espaço aberto, olhos vagos... Mirando um lago.
Sórdido aprendiz.

Não vou ser fresta.
Como da janela, esta.
Não vou.

Depois do expôr...
Do falado amor... O que resta?
Um silêncio infeliz.

No qual se imerge os pensamentos
do ter estado ao relento
por algo que tanto se quis.

28/05/2012, 14:36.

domingo, 20 de maio de 2012

Mesmo se o Sol cismasse em não nascer


Image from: sxc.hu


Eu dançaria com você todos os dias

Jacqueline Collodo Gomes

(Para o meu querido)

Eu dançaria com você todos os dias
No comecinho e no findar deles, à aurora
E mesmo que as nuvens cobrissem o céu, à hora
Eu dançaria com você

Eu dançaria com você, e até
em pés descalços, mesmo sob a chuva
Mesmo se o Sol cismasse em não nascer
Mesmo que cessassem as poesias da Lua

Eu dançaria com você na sala de opaca luz
À plateia das cortinas, do sofá e quadros
Segundos eternamente fotografados
Dos meus braços ao seu redor

Eu dançaria com você, mesmo
que as flores se escondam, no Outono
e que o nariz congele, no Inverno
que o calor tire o fôlego, no Verão

E mesmo que o seu time perdesse
E mesmo que houvesse raio e trovão
E mesmo que a música se interrompesse
Eu dançaria e sussurraria contínuo a canção:

Eu dançaria com você todos os dias...

20/05/2012, 10:36.

sábado, 19 de maio de 2012

Se as nuvens podem ser brandas...

Image from: sxc.hu


Todo mundo tem uma história

Jacqueline Collodo Gomes

Se as nuvens podem ser brandas...
As diferenças podem somar almas iguais.
Todo mundo tem uma história.

Os fatos de raiz, na raiz nascendo, não se mudam.
Mas, dos passos atuais, e do futuro,
fazemos o que ao amor compete.

Todo mundo tem uma história.
Nestas novas linhas, nuvens macias
e amar. Amada em ser.

19/05/2012, 13:09.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Um leve Outono...

Boas e merecidas férias!
Curtindo o friozinho do Brasil, agora. Rsssss. Friozinho harmonicamente florido.
Bem-vindo, bloguinho!

Image from: sxc.hu

Ouvido sensível. Captados sentidos. Estou prestando atenção.

Image from: sxc.hu


Estou prestando atenção

- Jacqueline Collodo Gomes

Ouvido sensível. Captados sentidos. Estou prestando atenção. Movimentos. Instintos. Capciosidade do ser. Dom ou pesada extradição. Presto atenção. Presto atenção em tudo.
Pontos minúsculos. Vírgulas e moluscos. Rastejar de caramujos, traços levianos levemente robustos. Versadas letras. Verdades concentradas em vigas tortas. Estou prestando atenção. Estou, mesmo sem pensar que estou. São poros treinados em flechas agudas de violino e páginas marcadas pela fita de cetim invisível às mãos. Presto atenção mais do que o agilizar da razão.
Eu presto atenção nas tolices. Nas coisas por trás do que se disse. Som grão de areia, película poeira, que paira para nalgum canto parar.
Eu presto atenção ao que se canta de verdade no abrir da boca para cantar.
Trejeito sublinhado. Peça a peça a se desmontar.
Presto atenção. Antigo vagão. Fluxo de instante oclusão.
Em cada. Em tudo. Finito oriundo.

13/05/2012, 21:10.

domingo, 6 de maio de 2012

Uma brecha entre os mundos, um portal consumidor dos segundos...

Image from: sxc.hu

Antes, O Amor

- Jacqueline Collodo Gomes

Eu tenho um dom para não conseguir cumprir horários! Parece que o relógio cisma que tem que compensar o sedentarismo de uma década no dia em que tenho algum compromisso. Tudo fica tão devagar de ser executado, e o tempo que era longo de distância do evento vira fumaça. Chego atrasada. Não consegui, de novo, entrar no molde. No molde do padrão.
Quem me conhece já está acostumado. Quer dizer, acostumado a se irritar comigo. E não pense você que eu me sinto bem com isso. Mas não consigo nem se insisto! É um imã que me prende ao chão. Uma brecha entre os mundos, um portal consumidor dos segundos, que só é vencido por uma paixão. Ah, a paixão!
Diga-me que o amado me espera lá embaixo com um buquê de flores nos braços. Eu me arrumo antes que termine de me dar o recado. E logo estou sob aquele olhar.
Só o amor fecha a brecha dos tempos, que esfarela momentos, e coloca tudo em seu lugar!

Amor é a motivação do ser.

02:00, 05/05/2012.