sábado, 9 de junho de 2012

A maior e mais importante história a ser escrita...

Image from: sxc.hu

As questões que não somem...
...o que há para acontecer

Jacqueline Collodo Gomes

Um escritor tem que escrever. Exercício. E muito já me desfiz da realidade pela fantasia. Mas as questões não somem. As questões da vida, e as pessoas que sofrem por nós, à nossa espera, não somem só porque escrevemos um texto e exercitamos a escrita. A maior e mais importante história a ser escrita por um escritor é a dele mesmo. 
E não se utiliza de caneta de solidão. Vivendo é que ela acontece. Confraternizando, socializando, procurando pessoas, tocando a vida, alcançando a arte do ir, vir, ouvir, dizer, perdoar, crescer. Tudo isto fora de uma tela, ou do papel em que a gramatura impera. No cara-a-cara. No colocar palavras em movimento. No traduzir em ação e gestos o que coloca o brilho no olhar. E assim o enredo vai acontecendo. Há os coadjuvantes, depois o que será par ao principal. Espetáculo ligado 24hs do dia para o Universo assistir. Para além das nuvens já garantiram a pipoca. Páginas em que o próprio autor coloca um marcador de fazer momentos serem destacados e eternizados.
Mesmo que muito se esconda e na sua técnica tente se convencer. A realidade ainda estará a sua espera. Não dá para ditá-la com régua e dissertação. E sua melhor história pode acabar nunca nascendo por não fazê-la simplesmente acontecer.

07/06/2012. 04:56.


Abaixo, um momento suave e engraçadinho, especialmente para quem está enfrentando o frio do interior de São Paulo - e que frio! Bom Sábado!


Sobre títulos

- Por que é tão difícil dar título a uma poesia ou texto?

- Não acho difícil dar título a poesia, respondeu-me o amigo poeta.

Sentindo aqueles segundos constrangedores de se ser o único exemplo do comentário de ocasião, respondi:

- Ah! Que sorte você tem, então. Eu às vezes empaco... Escrevo algo sem título e depois o título não vem. Fico olhando pro texto como se ele fosse me contar como se chama.

Dilema de se estar à mercê da escrita.

09/06/2012, 00:03.

4 comentários:

  1. Mais difícil ainda dar título ao que se sente
    rótulo demente às entrelinhas vizinhas da dor
    que se ressente sem causa, sem maiores danos,
    apenas um inexplicado sobrevivente ao acaso.

    Bruno Gaspari

    Abraço;)

    ResponderExcluir
  2. Oi, Jacqueline! Encontrei um post seu no blogue do Leonardo Schabbach e por ele cheguei aqui. Percorri algumas de suas transgressões poéticas e gostei, porque você trabalha a linguagem com sutileza e criatividade. Se quiser, visite minha escrivaninha no Recanto das Letras, na qual publico poemas e textos literários.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, muito obrigada pela visita e comentário. Agradeço também por suas palavras. Venha sempre que quiser! Abraço de poesia.

      Excluir

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.