sexta-feira, 15 de junho de 2012

Não me deixe nunca pedir que o dia não amanheça

Image from: sxc.hu

Elo

Jacqueline Collodo Gomes

Não me deixe nunca pedir que o dia não amanheça. Que, se eu não suportar a vida, você a suporte por mim. E que o montado jogo de damas posto à mesa tenha sempre este sabor de sobremesa, de nos fazer divertir assim.
E que, quando minha mão falhar ao lápis, você a segure. Ajude no completar das formas que devem existir. E mesmo se a dor da vida me fizer deitar, como agora, encolher-me e contar hora, que você nunca desista de cantar a sua canção por mim.
Eu sou um conjunto de peças que por alguma razão não se reuniu. Sou também a seresta refletida no gingar do rio. Eu sou os traços que unem teus dedos à mão. Sou a conclusão. Tudo o que te precisa, teu pousar em nação.

14/06/2012, 23:32.


2 comentários:

  1. Agora posso dizer além do "bom te ler" rs
    "bom te ver também" contando suas belas
    formatações... Detalhes que envolvem,
    encantam, me fazem querer sempre mais;)

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe o que são na imagem? Sementes de romã. Parecem pedrinhas-joias, não? Com o mesmo valor e tom poético dos rubis.
      Abraço!

      Excluir

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.