sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Às vezes quando te dou o meu amor...

Image from: sxc.hu

Quando te dou o meu amor

Às vezes quando te dou o meu amor eu não sei o que esperar. Parece tudo tão longe do seu coração... Ou sou eu que ainda estou no fundo da sala?
Às vezes quando te dou o meu amor eu só queria que você pudesse ser agradável. Que o instante pudesse ser agradável. Que a vida pudesse ser agradável. Mas já não sei, não entendo, quê você pensa dos instantes, ou se há coisa agradável nesta vida.
Às vezes quando te dou o meu amor... Eu só queria que você o recebesse, assim, com as palmas das mãos abertas... Guardasse e me fizesse cafuné. Com os olhos. Com a mão nos meus cabelos. Ser tua menina, ser tua amada, no cafuné dos olhos e do coração.

04:50, 19/10/2012.

Me diz que eu não devo chorar.
Que suas palavras são diferentes mas dizem deste mesmo gostar.
Deste mesmo gostar, assim, tão simples. E ponto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.