terça-feira, 2 de outubro de 2012

E que o sol tivesse conhecido o gelo.


Image from: sxc.hu

E assim, eu preferia...

- Jacqueline Collodo Gomes

Eu preferia que tivesse nevado.
E que o sol tivesse conhecido o gelo.
Eu preferia sorver todo o orvalho
colhido pacientemente em pontas de dedos.

E eu preferia ter saído de manhã sem o agasalho do frio
Passado em meio a um movimento de terra, coral e pó
Ver o floral café tomado, desconhecido, outrora
sorriso reluzindo aurora.

E eu preferia ter de tecer os mil tecidos do mundo
e unir, uma a uma, colchas, em linhas e trilhas
E que não houvessem profundos
O sondar a se conhecer, e as partilhas

Do que esta dor escarlate, descida em unhas
levando-me por dentro, acordando os vapores
pares desiludidos, filas de dores
que eu não tenho quem abrace e quem acolha.

Eu preferia nunca ter sentido nada.
Ter passado sem saber. E olhar para as vias
sem diferenciar. Aos estalados momentos
do âmago, paulatino, sem poder amar.

02/10/2012, 03:17.

6 comentários:

  1. Que bela obra, muito bem escrita!
    Talento e sensibilidade!
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Evandro. Venha sempre. Um abraço!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Sou

      - Jacqueline Collodo Gomes

      Eu sou tudo o que escrevo
      e também um mundo de coisas que ainda não conheço

      Sou cada pedacinho do verso que nasce
      à mão tingida das cores do trabalho
      Sou cada pedacinho que ecoa no meu coração

      Sou uma onda agitada buscando o seio dos mares
      Sou também a calmaria de portar ao cais

      Posso não conhecer esta identidade que me habita
      Posso, simplesmente, não caber em mim mesma
      E ser tão pequenina que me valha uma mão amiga

      Sou também o que me causa incômodos e não me deixa dormir
      Sou o que me libera e o que me prende, sou também quem me dá asas quando isto se adequa
      E tudo o que ainda vou descobrir

      Sou o não compreender as reações orgânicas de mim mesma
      E o quanto acho que estou longe de mim, mais estou perto
      Mais sou a essência, a natureza que me gera vida.

      17/11/2011, 00:57.

      E como vai a Togepi? (Assim que se escreve?) Rsssssss.

      Excluir
  3. A togepi vai bem, vai logo fazer 3 aninhos :) uau de novo. e eu ainda quero te conhecer =p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que gracinha. E ainda cantando muito a música do Mário Brós?
      Eu estou pelas esquinas da poesia, que se encontram com as sacadas floridas, de serenatas à Julieta. Também pelos destinos brancos e azuis de Santorini.
      E os teus caminhos, quais são?
      :)

      Excluir

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.