segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

E os barquinhos de semente que me lembra a Amazônia

Image from: sxc.hu

Árvores

Eu ando tão quieta. Quero só a companhia das árvores, da umidade de onde elas estão e do ar mais leve, respirável, reconhecível, para o qual o olfato se abre e se agrada do amaciar, do refrigerar, do preencher, do ligar o que não se sentia acionado. Uma cidade-árvore com suas raízes terras, com seus caminhos galhos, os mais finos com a melhor visão, a melhor altura e ar, o mais doce ar-respirar-hálito, tênue de nuvens mergulhadas no oceano azulíssimo-céu. As nuvens de touquinha de banho à beira dos clarinhos frescos tons no azul total. E os barquinhos de semente que me lembra a Amazônia. Cabelinhos curtinhos de grama. Terra avermelhada e nutrida que conforta os pés, as mãos, melhor que geladeira.
As árvores são as melhores conselheiras.

04/12/12, 16:20.

...
Parabólica instalada. Germinado verde em terra deserdada.
E agora a árvore tem uma rede para descansar.

Que bonita mão-arame em levitar!
[.]

"... Já germinado significa algo que brotou, logo, é claro que não se aplica a edificações."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.