sábado, 15 de junho de 2013

Eu não peço muito da vida

Image from: sxc.hu


Eu não peço muito da vida

Jacqueline Collodo Gomes 

Hoje eu acordei querendo estar junto de todas as coisas que despertam boas sensações. São algumas horas para o enfrentamento do que faz pensar que posso não encontrá-las - e para quê os movimentos, as tentativas. E uma torrente querendo brotar do parir doloroso da existência, que se crê não ter sido para estar só, não ter um braço que complete o meu e faça possível o alcançar de certos feitos atingidos somente por aqueles que se espreitam, juntos, muito, em ponta de pés. Tudo batendo neste coração que não encontra maçaneta, não tem vazão.
Deviam, as pessoas, e seus amores, serem entrelaçados como cada ponto liga os tecidos, formando-lhes extensão, para serem vestidos, cada corte de pano, trajada excursão.
[...]
Eu não peço muito da vida. Pão, e partilha.

07/06/13, 17:09.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.