sábado, 15 de junho de 2013

Eu pus os pés na grama, hoje

Image from: sxc.hu


Eu pus os pés na grama

- Jacqueline Collodo Gomes 

Eu pus os pés na grama, hoje. Mesmo através do jeans, pude sentir sua energia em minhas pernas, levando um peso embora, conhecendo o movimento dos dedos que lhe abraçavam e seguravam gentilmente por alguns segundos.
Eu pus os pés na grama, hoje, e só não me deitei por causa das formigas. Mas elas estavam gentis, até me permitiram escrever, mesmo estando diante destes elevados brancos e tão diferentes, acompanhados de calcanhar, que tinham que escalar para chegar ao outro lado.
Eu pus os pés na grama, e o céu foi se aconchegando sobre os prédios à frente, e a luz foi baixando, era anoitecer acontecendo mas a grama permanecia a mesma, sem mesuras, para o meu ali ficar. E a lua apareceu em pedaço bem esculpido, e bem brilhante, bem acima da minha cabeça. De longe, um sorriso para a moça dos dedinhos brancos, pela busca das suas completudes.
E tudo continuou quietinho, e a água correndo mansinho, enquanto eu, com os meus pés na grama, só pensava o quanto precisava viver novas emoções.

14/06/13, 17:41.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.