segunda-feira, 17 de junho de 2013

Porque eu não nasci para o só

Image from: sxc.hu

Mil vezes eu preferia

- Jacqueline Collodo Gomes

Eu preferia que você estivesse aqui.
Mil vezes! Eu preferia que você estivesse aqui!
E que ficasse mil vezes. Mil minutos. Mil dias.
Mil milênios. Mil mundos.
Minha mãe. Meus avós.
Meus queridos companheiros da vida.
Meus queridos admiráveis, a quem tenho tanto carinho.
Meu querido amor, a quem nasci para amar, e amo assim desde já.

Mil vezes eu preferia!
Mais do que mil sundae's. Do que mil peras aveludadas.
Do que mil sucos de laranja, bem docinhos.
Do que mil cores colorindo os lugares ao meu redor.
Do que mil cheiros e acalentos pelo ar.
Mais do que mil poesias e mil inspirações.
Minha mãe. Meus avós.
Meus queridos companheiros da vida.
Meus queridos admiráveis, a quem tenho tanto carinho.
Meu querido amor, a quem nasci para amar, e amo assim desde já.

Mil vezes eu preferia!

Porque eu não nasci para o só. Eu nasci pras gentes.
Só quem nasce pras gentes entende isso.

É muito difícil quem não nasce para o só
não poder realizar o seu "mil vezes eu preferia".

23:01, 17/06/2013.

- com dor e pesar, minha mãe!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.