domingo, 14 de julho de 2013

E, todas as Sextas, eu te esperava com a mesa pronta

Image from: sxc.hu


E, todas as Sextas...

Jacqueline Collodo Gomes

"Uma mãe sempre é como uma flor para um filho"

E, todas as Sextas, eu te esperava com a mesa pronta
e a maior alegria, e vontade de te abraçar!
Reconhecia teu cheiro da minha existência
a figura na memória a nunca me deixar

Tuas malas guardadas, e um punhado de dias
o espaço do teu descanso, as coisas de rotina
Você estava em casa. E eu, mãe, tão feliz!
Nem me importava com tanto, como outrora já fiz.

Mas o prenúncio das Sextas se abriu como uma cratera.
Findou com uma era. E engole-me um pouco, toda semana.
Desde que a porta não abre, e você não me chama.
É uma dor tão grande que às vezes me tira o reagir.

Você não veio pra casa, quando eu te esperava!
Só me trouxeram a notícia de que você não ia mais vir.
Um bolo absurdo para um filho engolir!
As Quintas e as Sextas estão sem lugar.

14/07/2013, 00:29.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.