sábado, 31 de agosto de 2013

Jacqueline Collodo Gomes em matéria do Jornal O Metropolitano


Matéria do Jornal O Metropolitano do dia 31/08/2013, edição 29

"Poetiza campineira tem obra selecionada para Antologia a Gonçalves Dias"

Página A-8, Entretenimento

Poesia "Remenda" no Jornal O Metropolitano, edição 29


Edição Online do dia 31 de Agosto de 2013 do Jornal O Metropolitano 

Na página 7, a poesia "Remenda", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link: 


Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição.

Tudo foi diferente este ano

Image from: sxc.hu

Tudo foi diferente este ano

Jacqueline Collodo Gomes 

Tudo foi diferente este ano.
Os fins de noite. O voltar pra casa. O abrir a porta...
Buscas, esforços, abandonos. Luzes que se apagaram. Falta daqueles seus perfumes tão enjoativos, pelo ar!
Eu esperei você voltar.
Sempre detestei celular. Agora eu tenho que usar o celular que você deixou... Eu nem gosto de tocá-lo. Não me desce! Era seu! Não meu!
Eu nunca liguei pra demasiada tecnologia. Sempre preferi as árvores. O lago, a grama. Sempre sonhei com isso!
Eu queria que você tivesse tido tempo de ver as árvores comigo! O lago, a grama, um piquenique. Mãe. As três letras que o céu nunca apaga!
Tudo foi diferente este ano. 
Mãe nunca esquece o número de telefone do filho. De cobri-lo no frio. De cobrá-lo pra ser bom na vida. Mas eu me sinto como se você tivesse esquecido o meu. Esse número, que nem meu mesmo é. Que já era seu antes de eu ter começado a andar.
Todas as coisas guardam um pouco do seu riso. Há momentos em que a sua voz seria a melhor música.
Eu sinto o cheiro da sua mão! Mãe! As três letras que o céu nunca, nunca vai apagar!
...
Tudo foi diferente este ano!

31/08/2013, 01:06.

"Mãe, que falta de você enxugar as minhas lágrimas! Que falta de você chorar comigo! Só quem é mãe sabe chorar a dor do filho!"

"Que o céu te dê memória de mim! Porque eu não quero que se desliguem as nossas memórias!"

Conserve o que você é

Conserve o que você é. Se você for jovem, proteja a sua juventude. Se você for poeta, cuide da sua poesia. As melhores coisas são as mantidas de forma especial.

E todas as melhores coisas são especiais demais para ficarem expostas a quem possa estragá-las. Preserve suas pérolas.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Uma capa-guia para ser refeita

Image from: sxc.hu


Uma capa-guia para ser refeita

- Jacqueline Collodo Gomes

Alguma coisa foi embora, este final de semana.
Passou a mão nas malas, sequer fez a cama.
Foi, e me deixou escancarada, com este buraco, ao vento
e os retalhos do recente arrancado, pendurados, ao relento.

Alguma massa tão densa, e visivelmente invisível, invadiu o recinto
circulou os presentes, juntou pra si mesmo os sentidos
deixou tudo tão morto e parado, calou o seio dos sinos,
até as luzes se apagaram mais cedo, o existir ficou escondido.

Três rasteiras de poeira... Três flores na janela, à beira.
Um alguém fadado por fadados dias. Pequenos pontos
chamando a harmonia...!
Uma capa-guia para ser refeita.

19/08/2013, 01:06.

Seleção na Antologia "Mil Poemas para Gonçalves Dias"


Poesia selecionada: "Ana Amélia", de Jacqueline Collodo Gomes, para compôr a Antologia "Mil Poemas para Gonçalves Dias", lançada em homenagem ao autor.

O livro pode ser lido online, em duas partes. A poesia da autora se encontra na parte 02 do livro, na página 318:



Organizadores: Dilercy Aragão Adler
Leopoldo Gil Dulcio Vaz

"Noite", na edição de 17 de Agosto de 2013, do Jornal O Metropolitano


Poesia "Noite", de Jacqueline Collodo Gomes, publicada no Caderno de Arte e Cultura.

Confira a edição neste link:

http://issuu.com/o_metropolitano/docs/ed_027

Retire seu exemplar gratuito em um dos pontos de distribuição!

"Eu não peço muito da vida", na edição de 10 de Agosto do Jornal O Metropolitano

Edição Online do dia 10 de Agosto de 2013 do Jornal O Metropolitano

No Caderno Arte e Cultura, o texto "Eu não peço muito da vida", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link:

http://issuu.com/o_metropolitano/docs/ed_026

Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição.


"Estavam Lá" na edição de 03 de Agosto no Jornal O Metropolitano

Edição Online do dia 03 de Agosto de 2013 do Jornal O Metropolitano

Na página 7, a poesia "Estavam Lá", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link:


Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição.


"Eu pus os pés na grama", na edição 27 do Jornal O Metropolitano

Edição Online do dia 27 de Julho de 2013 do Jornal O Metropolitano 

No Caderno Arte e Cultura, o texto "Eu pus os pés na grama", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link: 


Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição.

Não entala mais a minha garganta!

Image from: sxc.hu

Entalo e Garganta

- Jacqueline Collodo Gomes

Não entala mais a minha garganta!
Não grite que isto não adianta!
Eu estou dolorida, e não poderia estar mais
se estivesse no interior de um mundo servido para chocalho!

Montes de um deslocado baralho!
Barulhos e descamadas faíscas! Som de quem chora.
Riscas de iscas.
Põe pra fora!

Só não entala mais a minha garganta!
Que não tenho, por ora, muito do que me acalanta!

13/08/2013, 03:19.

Eu queria simplificar as minhas palavras

Image from: sxc.hu

Eu queria simplificar as minhas palavras

- Jacqueline Collodo Gomes

Eu queria simplificar as minhas palavras.
Mas eu estou mergulhada no campo infindo das letras.
O pouco que se aparenta expressar sempre é muito.
É um imergir em órbita, aos flashs que surgem
pequenos pontos dourados, outros brancos, no escuro.
E todas as palavras, somadas de uma vida,
toda a saudade de quem deixou suas palavras
subindo, subindo... Desvencilho - gel, e brilho
às vezes o que se há de dizer pode ser tão pequenino
e conter o seu próprio universo, imensa importância
que não se pode abandonar!

Mas, em alguns momentos, eu só queria poder simplificar as minhas palavras...
Para que as dores fossem embora por um caminho reto
por um caminho só.

13/08/2014, 00:52.

Eu gosto do contorno em tudo

Image from: morgueFile

Sobre Emoções 

- Jacqueline Collodo Gomes

II

Eu gosto do contorno em tudo.
Mas eu gosto mais dos teus contornos.

08/07/2013, 18:07.

Remenda

Image from: morgueFile


Remenda

- Jacqueline Collodo Gomes


Fome. Cansaço. Saudade de lar.

Enfado. Tristeza. Remendo abrigo.

Três letras, um acento... E o não ecoar.

Um mundo pesado, feio, destituído.

Futilidades. Ilusões sustentadas

ao suor de quem sabe a verdade mas cala.

Repugnante. Afronta indecente e um tamanho absurdo.

O que é que fizeram com tudo?

Disseram-nos que não vale a pena viver pelas causas de luta.

Até os estudados. Todo o mundo topou isto. Uma era muda.

Vivos por motivos repugnantes.

E se compartilham as hipocrisias.

Alguns olhos não os aguentam. É como ter luz e não ter dia.

Choro em lugar de alegria. Desfaz-se uma ilha.

- Uma voz que não me chama mais por filha!

...

Ah, saudade de lar!

Fome e cansaço!

Mundo surto

fruto destes que produzem o fracasso!

...

Três letras, um acento... E um vazio terraço!

07/08/2013, 00:29