sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

É madrugada onde os joelhos se juntam

Image from: sxc.hu


E, se tudo se apaga...

Jacqueline Collodo Gomes

Segura as bordas do colchão.
E os polegares alisam o lençol que o reveste.
É madrugada onde os joelhos se juntam
e o corpo faz ponte a quem escreve.

O ventilador coloca o clima em movimento.
Faz um barulho baixo, não influi ao lamento.
Tem um coração preocupado com o seu pulsar.
Pensares e enfado, um ardor no calcanhar.

Olha para o desenho que a porta deixa na parede.
As formas são vastas. Contrastam a limitada rede.
Afoito precisar de palmas que lhe guardem as lágrimas!
Todos deveriam tê-las, sem lástimas! E, se tudo se apaga...

...para onde se vai?

28/02/2014, 02:56.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.