sábado, 24 de maio de 2014

- e se o passar não se esconde,

Image from: sxc.hu


E  Se O Passar Não Se Esconde

Jacqueline Collodo Gomes

"Chora tuas dores. Quem sabe assim elas não precisem mais de tuas lágrimas."

Contraídos ângulos de estagnação
que prendem a boca ao centro dos dentes,
secos lábios em calos dormentes,
intento constante do romper em fração,

desliza em chuva sobre essas mãos,
terna e crua vela que alumia,
alma abatida de sôfrego guia,
são gritos e gritos de baixa audição,

são teus sonhos, e também a ilusão,
vulgo rompendo, rasante estagnar.

Ai, a alma arde! Com a fronte
- e se o passar não se esconde,
então, rompe! Rompe!

24/05/2014, 03:07.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por visitar o blog Ah, Poesia! Deixe sua mensagem a respeito do que leu aqui. Volte Sempre! Abraços poéticos.